Comece pelas pedras grandes II – Adequando o orçamento doméstico

O título deste texto tem a ver com a postagem que fiz falando sobre como se livrar das dívidas, e qual seria a maneira mais eficiente de quitar todas elas. Se você não leu, é só clicar neste link para ler e entender do que se trata a tática das pedras grandes.

Pote pedras grandes areia água

O princípio das pedras grandes, ou o famoso princípio de Pareto, também valem na hora de reorganizar o orçamento doméstico. Você precisa focar nas maiores despesas primeiro, já que esses poucos mas grandes gastos são os que mais impactam no seu orçamento.

Se você já tem listado suas despesas mensais, ótimo, isso vai facilitar o trabalho. Se não tem, comece fazendo isso. Anote em uma folha de papel, planilha, ou onde preferir, todas as suas despesas mensais. Podem ser valores aproximados. O que importa aqui é a ordem de grandeza.

Muito provavelmente, depois que você fizer isso, vai notar que apenas três ou quatro despesas são as responsáveis pela maior parte dos gastos que você tem no mês. Logicamente, vai depender da sua situação atual, da sua idade, estado civil, se tem filhos ou não, mas geralmente os maiores gastos são com moradia, alimentação e transporte. Então é neles que você vai focar primeiro.

Moradia

Moradia costuma ser um item bem pesado no orçamento doméstico, principalmente em caso de aluguel ou financiamento.

Para poder economizar neste item vai depender de qual é sua situação, se você paga aluguel, financiamento, ou tem casa própria.

Se você morar de aluguel, o que pode fazer é se mudar para um local onde o aluguel ou o condomínio sejam mais baratos (se os dois forem menores, melhor ainda!), ou tentar negociar uma redução de valores com o proprietário. Na atual situação do Brasil, com a grande oferta de imóveis disponíveis para locação, as chances de obter esse desconto são bem grandes.

Se você tiver sua casa própria quitada, ou estiver pagando um financiamento imobiliário, não tem muito o que fazer. No primeiro caso, seu custo com moradia já é próximo de zero; no segundo, a única maneira de reduzir o valor do financiamento é antecipando a quitação do imóvel. Então a margem de manobra no orçamento doméstico fica reduzida nesses casos.

Alimentação

Quando falo em alimentação, não falo apenas do supermercado, da feira, do açougue, mas também dos gastos com a alimentação fora de casa: almoço durante a semana, pra quem trabalha muito longe e não consegue almoçar em casa; jantares, lanches, petiscos, happy hours…tudo isso entra nessa seção.

No supermercado e afins, não tem muito segredo para economizar: é trocar alguns produtos de marcas mais caras por similares mais baratos, e evitar o desperdício e a compra por impulso, comprando somente o que vai consumir, mesmo que esteja aquela promoção mega-hiper-ultra-blaster de pague 1 e leve 20. Não adianta nada comprar na promoção se você não for consumir tudo. Compre nessas promoções apenas aqueles itens não perecíveis, como produtos de limpeza.

julius rock

Nas refeições fora de casa, não é pra cortar tudo, mas você pode reduzir a frequência. Digamos que toda semana você janta fora de casa com a sua família, gastando 200 reais por vez. Se ao invés de 4 vezes no mês, você sair apenas 3, já consegue economizar um pouco sem cortar esse conforto, esse luxo que você tem com sua família.

Transporte

Aqui entra outro grande vilão do orçamento doméstico. A menos que você trabalhe em casa, no esquema de home office, você precisa se deslocar para ir e voltar do seu emprego. Aqui é necessário avaliar bem sua necessidade, e ver o que pode ser feito.

Veja se o transporte coletivo da sua cidade consegue atender seus horários, ou veja se é possível alterar seus horários para aproveitar o transporte coletivo. Outra coisa que também pode impactar no item transporte é a distância que você mora do seu trabalho. Se sua casa é alugada, veja a possibilidade de se mudar para mais perto do trabalho. Isso vai te fazer economizar não só dinheiro, mas também tempo.

Outra saída para economizar é usar os aplicativos de transporte, como o Uber e o Cabify. Pode valer mais a pena usar esses serviços do que ter um segundo carro e pagar seguro, estacionamento, combustível, manutenção, além do custo do próprio veículo.

Por último, veja se não é possível reduzir o padrão do seu veículo. Muita gente tem um sedã top de linha para andar alguns poucos quilômetros por mês, quando um carro popular e com menor custo resolveria o problema tranquilamente.

Como você pode ver, o foco desse texto é fazer você repensar a sua situação, meditar sobre o que pode ser aprimorado. Nos acostumamos a levar a vida no automático e não paramos para refletir sobre o que estamos fazendo.

Concorda com minha opinião sobre esses itens? Deixe um comentário!

$$$$$$$

TENHA DIREITO A CONSULTORIA FINANCEIRA ILIMITADA E CONCORRA A PRÊMIOS, SE TORNANDO UM MEMBRO DO CLUBE VIDA RICA. É SÓ ENTRAR NO APOIA.SE E SEGUIR AS INSTRUÇÕES.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s