É mais tarde do que você pensa

o-clima-organizacional-conceito

Trabalhar para sustentar a família e investir é uma coisa necessária, mas algumas pessoas às vezes ultrapassam o limite do necessário e acabam trabalhando além da conta, ficando assim sem tempo livre para passar com a família.

O pai J.R. Storment, publicou um desabafo emocionante no LinkedIn sobre seu filho Wiley, de 8 anos, que tinha epilepsia e morreu dormindo.

“Oito anos atrás, neste mesmo mês, eu tive gêmeos e cofundei o Cloudability. Cerca de três meses atrás, a Cloudability foi adquirida. Cerca de três semanas atrás, perdemos um de nossos meninos. Quando recebi a ligação, estava sentado em uma sala de conferências com 12 pessoas em nosso escritório em Portland, falando sobre políticas de tomada de força. Minutos antes, admiti ao grupo que, nos últimos 8 anos, não havia tirado mais do que uma semana de folga.

Minha esposa e eu concordamos que, quando um de nós liga, o outro responde. Então, quando o telefone tocou, levantei-me e caminhei até a porta da sala de conferências imediatamente.

Eu ainda estava andando pela porta quando respondi com “Ei, o que foi?”

Sua resposta foi gelada e imediata: ‘J.R., Wiley está morto’.

‘O que?’ Eu respondi incrédulo.

‘Wiley morreu’. Ela reiterou.

‘O que?! Não’. Eu gritei: ‘Não!’

‘Sinto muito, tenho que ligar para o 911’.

Essa foi toda a conversa. A próxima coisa que sei é que estou correndo pela porta da frente do escritório com as chaves do carro na mão, correndo ferozmente pela rua e murmurando “oh, merda, oh merda, oh merda!” No meio do quarteirão, percebo que não tenho o controle da minha garagem. Correndo de volta para o saguão, eu quase grito ‘Alguém me conduz! Alguém me leva!’ Felizmente, um colega prestativo o fez.

Quando cheguei em casa doze minutos depois, nosso beco sem saída estava cheio de veículos de emergência. Eu corri pela nossa porta aberta e corri direto para o quarto que os meninos dividiam. Meia dúzia de policiais parou na minha frente bloqueando o caminho. Quando uma criança morre repentinamente, ela se torna uma cena de crime em potencial.

Foram longas e dolorosas 2 horas e meia antes que eu pudesse ver meu garoto. Eu disse aos policiais armados que guardavam as portas que não podia esperar mais. Eles me permitiram sair para o deck de frente para o quarto das crianças para espiar pela janela de vidro deslizante. Ele estava deitado em sua cama, com as cobertas ordenadamente, parecendo dormindo pacificamente.

Quando o médico legista finalmente terminou seu trabalho, fomos autorizados a entrar no quarto. Uma calma estranha tomou conta de mim. Deitei ao lado dele na cama que ele amava, segurei sua mão e continuei repetindo: ‘O que aconteceu, amigo? O que aconteceu?’

Ficamos ao lado dele por talvez 30 minutos e acariciamos seus cabelos antes que eles voltassem com uma maca para levá-lo embora. Fui com ele, segurando sua mão e sua testa através do plástico, enquanto ele era levado pela nossa garagem. Então todos os carros foram embora. O último a sair foi a minivan preta com Wiley”.

J.R. explica que o filho tinha sonhos de montar sua própria empresa de tecnologia e que seria o chefe, o pai completa que desde os 5 anos de idade o filho estava decidido a encontrar a mulher certa e se casar.

“Um dos incontáveis momentos difíceis deste mês foi assinar sua certidão de óbito. Ver o nome dele escrito em cima foi difícil. No entanto, dois campos abaixo do formulário me esmagaram. O primeiro dizia: ‘Ocupação: nunca trabalhou’ e o segundo: ‘Estado civil: nunca se casou’. Ele queria tanto fazer as duas coisas. Sinto-me feliz e culpado por ter tido sucesso em cada um”.

O pai que agora sofre de vários arrependimentos, admite que tenta guardar na lembrança todas as coisas boas que seu filho teve tempo de fazer e deixa ainda conselhos aos pais na mesma publicação:

“Muitos perguntaram o que podem fazer para ajudar. Abracem os vossos filhos. Não trabalhem até tarde. Muitas das coisas em que estão a gastar tempo vão arrepender-se quando já não o tiverem. […] Se há alguma lição a tirar disto é lembrar os outros – eu mesmo – para não perderem as coisas que realmente importam”, conclui lembrando todos nós de amar e estar mais presentes na vida de nossos filhos.

A morte trágica do Gugu Liberato, em um acidente absolutamente simples na sua casa, nos faz lembrar como a vida é frágil, é simples, e é curta. Tudo tem sua finitude.

Impossível não lembrar também do Viver de Construção, que faleceu enquanto jogava futebol com os amigos.

Fica à lembrança e o recado: valorize quem realmente importa na sua vida.

Feliz Natal!

Este texto foi originalmente postado no site do Pracinha Investidor.

Até o próximo!

cropped-porco-avatar1

Gosta de ler? Assine o Kindle Unlimited e tenha acesso à milhões de livros por apenas
R$ 1,99 nos três primeiros meses! Ou assine o Amazon Prime e tenha acesso ao Prime Reading, onde pode alugar até 10 livros, revistas ou periódicos simultaneamente!

cropped-porco-avatar1

Para aprender mais sobre imóveis, compre meu livro:

Tijolos – Tudo o que você precisa saber antes de alugar, comprar, vender ou financiar um imóvel

Um comentário em “É mais tarde do que você pensa

  1. Oi Marcelo, taí uma coisa que eu sempre penso… no que tenho gastado o meu precioso tempo. Agora mesmo estava conversando com o meu marido que precisamos ler mais livros infantis para as crianças. As crianças adoram livros, mas às vezes, por preguiça, não lemos. Mas quando vejo histórias desse tipo, vejo como a vida é frágil e finita, e que devemos aproveitar melhor o tempo com as pessoas que amamos. Um beijo. Feliz Natal pra você.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.