Não se contente apenas com o estudo formal

Foto por Steve Johnson em Pexels.com

Filho, eu e sua mãe chegamos ao “final” dos estudos formais, ou pelo menos até onde a maioria das pessoas vai nos dias de hoje: ambos terminamos a graduação. Enquanto eu me tornei bacharel em engenharia civil, ela se graduou em pedagogia.

Ter um diploma de ensino superior fez bem para as nossas vidas e nossa carreira? Claro que sim! Mas acredite, filho, não quero que você se contente com isso. A faculdade é importante, mas não é o ponto final da sua vida de estudante. Pelo contrário, acredito que assim como eu, você terá que estudar até os últimos dias da sua vida. E isso não é ruim, mas não é ruim mesmo. A gente percebe que o conhecimento é um paradoxo: quanto mais a gente sabe, mais a gente sabe que não sabe.

Quando meus pais, no caso seus avós, eram jovens, ter diploma de graduação era raridade. Quem conseguia um, podia ficar tranquilo que estava com a sua vida garantida, jamais faltaria um bom emprego que pagasse um bom salário.

Mas as coisas mudaram. Já na minha época, o diploma de faculdade parou de ser um diferencial para ser uma coisa que todos tinham. Virou um item quase obrigatório, carne de vaca como dizem por aí, e isso parou de ser um ponto decisivo na hora de conseguir um emprego. A tecnologia ajudou muito nisso: com a internet banda larga se espalhando, ficou viável para muitas pessoas fazerem cursos a distância, o que aumentou a % da população que tinha possibilidade de concluir uma graduação.

É simplesmente a lei da oferta e demanda em ação: com mais gente se formando, a disputa pelas vagas aumentou, e o salário diminuiu, então ser um graduado deixou de ser uma garantia de vida tranquila para as pessoas.

E isso, foi bom. Graças a essa falta de garantia precisei, assim como muitos, começar a me mexer para aprender coisas novas que me pudessem ser úteis. E foi assim que virei escritor, blogueiro, planejador financeiro, podcaster, sem falar nos trabalhos como freelancer que fiz na minha área, a engenharia. Uma necessidade levou a essa nova descoberta, e uma coisa puxou a outra. Comecei a me tratar como uma empresa, a Eu S.A., e tentava sempre arrumar algum novo serviço que essa empresa pudesse realizar, para diversificar as fontes de renda. Claro que o trabalho formal nunca deixou de ser a primeira e mais importante renda, mas foram essas atividades extras que permitiram que a gente tivesse uma vida um pouco mais confortável.

Veja, filho, quando comecei a escrever, a blogar melhor dizendo, sobre educação financeira, ainda não existia uma graduação sobre isso. Não existia faculdade para educador financeiro. Tudo que aprendi foi baseado em livros, sites, blogs, cursos livres, vídeos, palestras e podcasts. Foi um processo bem autodidata, cada dia, cada mês descobrindo novas coisas. E eu desejo sinceramente que você possa passar pelo mesmo processo, na área do conhecimento que desejar. Não se contente apenas com a faculdade, ou com o curso técnico. Corra atrás de aprender outras coisas, coisas que podem fazer diferença na sua vida, na sua carreira. Aprender é um processo infinito, interminável. E quem continua aprendendo sempre é que tem mais chances de ter uma vida melhor nesse mundo.

Esse é mais um trecho do meu futuro livro. Deixe sua opinião nos comentários.

Sugestão de Leitura

Educação: livre e obrigatória https://amzn.to/3PcE2GV

A árvore bela https://amzn.to/3nLJfdk

Processando…
Sucesso! Você está na lista.

2 comentários em “Não se contente apenas com o estudo formal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.